sábado, 11 de junho de 2011

Sobre escolhas...

Às vezes sinto-me insegura em ter que fazer escolhas. Acredito que a maioria das pessoas também sintam-se assim. Afinal, escolhas são realizadas todos os dias, minutos e segundos e essas mesmas escolhas determinam o que seremos, teremos e realizaremos durante a vida.

Em minhas escolhas, o que mais me aflige não é errar, ou escolher o mais difícil caminho, ou ainda o que causará mais dano; o que mais me aflige é fazer escolhas medíocres... Como tenho medo!

Por isso, tenho demorado mais ainda para 'bater o martelo' em minhas decisões. Tenho meditado muito sobre elas. E acima de tudo, tenho consultado Aquele que pode me dizer qual será a melhor escolha para mim e para aqueles que estão ao meu redor. Aquele que sabe que, mesmo que penosa, a escolha que eu fizer produzirá frutos de justiça. Aquele que conhece toda minha vida (passado, presente e futuro) e pode me orientar na melhor e mais importante escolha. Aquele que me envia sinais e orientações sobre o que e como escolher.

(Abro um parêntese aqui para falar sobre sinais... Deus sempre nos envia sinais, sempre. Devemos estar atentos e vigilantes à eles. Preste atenção. Deus está te dizendo o que escolher agora, ouça!)

Escolher não pode se tornar algo simples e banal, se não os frutos colhidos também o serão.

Escolher deve ser um ato consciente, pensado, analisado, ponderado em riscos, ganhos e perdas.

E agora, aqui estou eu, em mais uma escolha....

Ouvi ontem, e entrou em meu coração como uma flecha: não podemos ter medo do desconhecido, de pisar em lugares onde nunca pisamos, ou de falarmos o que nos foi ordenado; mas devemos de ter medo, e muito, de vivermos toda uma vida sem ter feito nenhuma diferença...


"A vida sempre nos oferecerá a opção de nos mover em dois sentidos. Podemos ter para ONDE ou para QUEM ir.
Esse movimento muda TUDO e TODO significado do ide!"

video






sexta-feira, 10 de junho de 2011

O que quero!

Quero voar,
ir mais longe,
chegar onde nunca imaginei.

Onde meus pensamentos não alcançam,
meus pés não tocam,
meus olhos não veem.

Flutuar entre sonhos e realidade,
entre desvaneios e verdades
e aterrizar na Rocha.

Quero viver,
mas não por egoísmo
desfrutar de tudo, sem receio.

Beber das águas até saciar,
comprar mesmo sem dinheiro,
comer mesmo sem plantar.

Ser guiada pelo que não vejo,
orientada pelo que creio
e frutificar.

É isso o que quero.

(Baseado na leitura de Isaías 55)
(Foto: Ana Carolina Verdeiro. Primeiro por do Sol em Portugal) 


sexta-feira, 3 de junho de 2011

Era só o que faltava...

Quero deixar registrada minha indignação! :O

Hoje ao abrir um site de relacionamentos fiquei chocada ao ver até que ponto as pessoas podem chegar e como é perigoso o uso indevido desse meio de comunicação em massa (porque nesses sites, geralmente, todos ficam sabendo da vida de todos - quando todos permimtem ser sabido o que deveria ser privado - será que fiz entender-me?)

Enfim, como ia dizendo entrei no site e para minha indignição estava lá uma 'corrente'.

Sabem, aqueles e-mails insuportáveis, enormes, que em nada te acrescentam, que trazem uma mensagem bem "rasa" de esperança e depois pede que você faça algo em troca dela?! Então, esse tipo de corrente,  mas com um diferencial: ela propunha que as pessoas enviassem a mensagem para outras tantas, para que as últimas não fossem negadas por Jesus. (é... pode indignar-se comigo!)

Isso é insultar a inteligência Daquele que é dono de toda a sabedoria. É insultar àqueles que caminham na Palavra, conhecem e andam em intimidade com Deus. É insultar a inteligência daquele que conhece um pouco da Bíblia e um pouco do Deus que a inspirou. Isso é insultar àqueles que pensam um pouco mais (rs).

Fiquei indignada com a superficialidade que as pessoas estão colocando o relacionamento com Deus. Em como se dá esse relacionamento (não de forma imposta ou de troca, como nós, seres humanos). Indignada em quanto tempo se perde com bobagens, quando podería-se dar um tempo de qualidade pra Ele.

Vamos pensar!

Não custa nada...
Talvez um pouco de tempo...
Mas se temos tempo pra tantans bobagens, também o temos e de sobra,  para pensar.

terça-feira, 31 de maio de 2011

"Deleita-te também no SENHOR, e te concederá os desejos do teu coração. Entrega o teu caminho ao SENHOR; confia Nele e Ele o fará!"

Todo temos sonhos, projetos, planos e desejamos que o Senhor os confirme e nos leve a conquistar cada um deles. Dizemos que esperamos no Senhor, mas quando achamos que está demorando demais ou que está difícil demais, nos desanimamos, nos sentimos tristes ou até desisitimos.

Porém, o que o salmista diz no Salmos 37 é totalmente ao contrário dessas atitudes que mencionei acima.

Davi descobriu um grande e precioso segredo: quando nos ocupamos com as 'coisas' do Senhor, quando entregamos nossas vidas à Ele e confiamos que Ele está no controle e nos conduz por um caminho perfeito, Deus, o próprio Senhor cumpre os desejos dos nossos corações.

Sim, podemos sonhar e desejar! Os sonhos, já disse um pensador (ou foi o Silas Malafaia -hehe), move nossas vidas. Quando Deus é o Senhor absoluto em nossas vidas, nossos sonhos são mais do que um mundo de fantasias, passam a ser projetos e propósitos Dele. Cada sonho, cada vontade que brota no nosso coração, deve ser entregue à Ele, para que Ele mesmo cumpra.

Não é errado sonhar! O erro pode estar em não permitirmos que o nosso Senhor seja também o Senhor dos nossos sonhos. O erro pode estar em fazermos de nossos sonhos o nosso estímulo de viver, quando Ele deve ser o ar, a fonte de vida. O erro pode estar em querermos realizar por nossas próprias mãos o que desejamos e não deixarmos que o Criador, crie.
Davi também ressalva a importância do justo enquanto aquele que aplica a justiça ao que necessita. E esse é o chamado de todo aquele que nasce de novo, esse é o meu chamado: levar a justiça Deus. Ressaltando que levar a justiça de Deus não significa ser ou aplicar a justiça, porque só Deus é justo, plenamente, e só Ele é o verdadeiro juíz; mas sim levar Jesus à todos os que estão à nosso redor e praticar atos de justiça. Leia Isaías 58 inteiro e Provérbios 31, aqui coloco dois versículos de cada, respectivamente:
"Porventura não é este o jejum que escolhi, que soltes as ligaduras da impiedade, que desfaças as ataduras do jugo e que deixes livres os oprimidos, e despedaces todo o jugo? Porventura não é também que repartas o teu pão com o faminto, e recolhas em casa os pobres abandonados; e, quando vires o nu, o cubras, e não te escondas da tua carne?"

"Abre a tua boca a favor do mudo, pela causa de todos que são designados à destruição. Abre a tua boca; julga retamente; e faze justiça aos pobres e aos necessitados."


Davi também fala de justo enquanto justificado pelo sangue de Cristo. E para sermos justificados por Cristo precisamos crer que Ele existe (Hb 11:6b). E aqui entra outra questão: a fé. Ter fé em Deus. Ter fé na nossa salvação através de Cristo. Ter fé de que o Espírito Santo habita em nós e nos ouve. Ter fé de que esta Palavra do Salmos 37 é uma promessa para nós e uma verdade que será cumprida! Até porque, como está escrito no v6 de Hb 11, sem fé é impossível agradar a Deus. Gosto também de um texto, que aliás me assusta por vezes, que diz que tudo que não provêm de fé é pecado (Rm 14:23).
Que possamos prosseguir em nossos sonhos. Não olhando pra trás, nem desistindo. Sabendo que tudo provem de Deus em nossas vidas. Descansando, entregando e confiando Nele. Tendo fé em Deus, que nos conduz em seu perfeito caminho, de que nossas vidas são para sua glória!




sábado, 28 de maio de 2011

Há algo que precisa ser sabido

Quero deixar hoje o trecho de um livro de Paulo Freire.
Medite nele, faça analogias com sua vida ou com o mundo/sociedade, pense, reflita, faça qualquer coisa...
Só não deixe de pensar sobre isso ao menos por um momento.

"O meu bom senso não me diz o que é, mas deixa claro que há algo que precisa ser sabido.
Esta é a tarefa da ciência que, sem o bom senso do cientista, pode se desviar e se perder.
Não tenho dúvida do insucesso do cientista a quem falta a capacidade de adivinhar, o sentido de desconfiança, a abertura à dúvida, a inquietação de quem não se acha demasiadamente certo das certezas.
Tenho pena e, às vezes, medo, do cientista demasiado seguro da segurança, senhor da verdade e que não suspeita da historicidade do próprio saber."
(FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia. Saberes necessários à prática docente. São Paulo: Paz e Terra, 1996)

terça-feira, 24 de maio de 2011

SOB NOVA DIREÇÃO!


Quanto tempo...
Eu não desisti desse bolg, talvez ele até tenha desistido de mim, mas aqui estou eu de novo!
Vou tentar não ficar mais tanto tempo sem notícias, pensamentos, revoltas ou até mesmo coisas sem noção, prometo que vou tentar!

Bom, coloquei esse título na postagem, não porque agora será outra pessoa física a escrever aqui, mas porque será outra pessoa [no todo] que estará escrevendo. Não sou a mesma depois do ano passado.
Definitivamente, não sou!

Estou mais velha no corpo [ai ai, dura realidade], mas também muito mais madura na alma e no espírito [isso me alegra e muito!]. Vivo uma nova fase com Deus, bem mais profunda, verdadeira e real. Quero compartilhar aqui tudo o que isso tem gerado em mim e aos que estão perto [fisicamente ou no coração].

Enfim, essa nova postagem é só para dizer que estou de volta!

Novos posts em breve...
=D

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

[O soluço de 1 bilhão de almas]

Muitos momentos nas nossas vidas sentimo-nos impotentes diante de situações que gostaríamos que fossem diferentes.
Demorei a escrever sobre minha última experiência porque também demorei a digeri-la, ficou entravada na garganta, um sentimento de que eu nada posso fazer, que nada posso mudar, que não depende de mim, que não tenho nada a oferecer, que não posso...

Passamos a manhã toda numa favela visitando grávidas e as casas de algumas pessoas que nos chamavam por estar com alguma doença. Fomos eu, mais duas enfermeiras indianas e uma enfermeira americana.
Nunca me esquecerei desse dia...
O dia em que vi como sou limitada, pequena, incapaz, miserável, mesquinha, egoísta, inútil...
"Assim também vós, quando fizerdes tudo o que for mandado, dizei: Somos servos inúteis, porque fizemos somente o que devíamos fazer." (Lucas 17:10)
Eu sei que é Deus em mim que operar todas as coisas, eu creio nisso!
Mas quando me deparei com tanta pobreza, tanta miséria, tanta aflição, tanta sujeira, tanto abandono, tanto descaso, não tive outro pensamento senão o de querer mudar o que estava vendo o mais depressa possível!

Como pode? Ali no meio da cidade?! Todos passam e ninguém vê.
Mas quando o Espírito Santo nos abre os olhos para ver e abre nossos ouvidos para ouvir o clamor dos pobres, necessitados, famintos e perdidos; ficamos chocados em como passamos tanto tempo sem perceber. E quando o Espírito Santo coloca esse clamor nos nossos corações, não podemos suportar...
E foi exatamente assim que aconteceu comigo: não suportei.

Passei o tempo todo ali, sendo ministrada pelo Espírito, sem dizer quase que palavra alguma, porque sabia que se falasse algo, ia chorar.
Envergonhada por passar tanto tempo para ver, ouvir e atender esse clamor, mesmo de uma forma tão pequena e quase insignificante.
Ao chegar em casa a única coisa que pude fazer foi chorar.
Chorar e pedir perdão à Deus por demorar tanto...
Chorar e clamar à Deus por mudança...
Chorar e orar à Deus por transformação...
Chorar e pedir para ser canal de mudança junto com outros mais, para levar, através de Cristo, transformação! Porque li uma vez (não lembro onde) e é uma verdade, que não podemos orar por aquilo que não estamos dispostos a SER A RESPOSTA...



" O soluço de um bilhão de almas na Terra me soa aos ouvidos e comove o coração; esforço-me, pelo auxílio de Deus, para avaliar, ao menos em parte, as densas trevas, a extrema miséria e o indescritível desespero desses mil milhões de almas sem Cristo. Medita, irmão, sobre o amor do Mestre, amor profundo como o mar; contempla o horripilante espetáculo do desespero dos povos perdidos, até não poderes censurar, até não poderes descansar, até não poderes dormir." [Carlos Inwood]